DESCUBRA
A NOSSA HISTÓRIA
Em Outubro de 2017 o Optimista abriu em Lisboa, na Rua da Boavista 86, uma antiga rua lisboeta que aos poucos renasce e se torna ela própria mais disposta à felicidade. E foi aqui que decidimos dar vida ao optimismo que nos dá nome. Nos dicionários, optimismo é um nome, uma disposição ou tendência, uma crença, uma doutrina. A palavra vem do francês optimisme, que por sua vez vem do latim optim(um), que significa “melhor”.
Screenshot 2020-03-31 at 11.15.38
QUEM SOMOS
Há muito que temos procurado o que sempre esteve debaixo dos nossos narizes: da repetição da sensação de coração cheio, do sorriso na cara, das gargalhadas sonoras, dos abraços. E a comida. Sempre. O Optimista nasceu porque um dia tivemos uma ideia que já muitos amigos por esse mundo fora haviam tido, que foi a de criar um espaço onde vamos partilhar com as pessoas um pouco desta maravilha que sentimos quando comemos e bebemos juntos.
OS NOSSOS CHEFS

Nuno Gonçalves, Rafael Batalha e Márcio Silva. 

 

Os nossos homens ao leme da Cozinha. Dedicados, preocupados, numa procura constante do que é autêntico, sustentável e absolutamente delicioso. 

 

É preciso acrescentar que têm óptima energia e que o Rafael tem uns passos de dança surpreendentes!

VER A NOSSA CARTA
C3A22A15-7568-4AAC-AC39-303F65260074
18F5AF1C-430B-44B1-AF67-964B2E0B7A39
INTERIOR ELEGANTE

A arquitetura é de Jorge Guimarães e os interiores são obra da Rita, que é designer de interiores de profissão. Numa fusão de elementos clássicos e contemporâneos, os interiores são singulares e não se prendem a tendências. A par desta referência nacional, uma outra influência decisiva foi o Instituto Francês das ciências naturais – Deyrolle – cujo dono e nosso querido amigo é Louis-Albert de Broglie. A fauna, flora, arte e objetos incomuns e surpreendentes, mas elegantes, são o fio condutor. Contrastando com a rigidez da pedra e o teto alto, estão as grandes e confortáveis almofadas de linho em várias cores vibrantes e alegres, também evidentes nos guardanapos. As paredes apresentam a cerâmica do designer Luís Royal, fotografias de Márcio Vilela, Valter Ventura, Manuel Caeiro and Duarte Amaral Netto, uma aguarela de Duda Moraes, e vários múltiplos das Edições Carpe Diem Arte e Pesquisa. As peças de macramé são da Oficina 166.

Lotação de 30 pessoas

Disponível também para eventos.

Reservas